Blog de Receitas

Post em Destaque

Receitas da Helena - Creme de Flor de Berinjela, a Sopa do Sultão

Da Série O Que Eles Comiam – O Grande Guerreiro Otomano - Ertugrul Dirillis Netflix

Creme de Flor de Berinjela - Uso de Flores na Culinária

Originária das zonas tropicais e subtropicais asiáticas, a berinjela é cultivada há muito tempo na Índia, Birmânia e China. Mudas foram trazidas pelos otomanos por volta do ano 1200, para cultivo na Turquia e levadas para o Egito, alcançando prestígio nas cozinhas do Oriente Médio, da Turquia e dos Bálcãs, apresentada em Babaganoush e Massabachas. Na Idade Média surgiu na Península Ibérica e o uso se estendeu pelo Mediterrâneo. O vocábulo “berinjela” é de origem persa e vem do árabe “badingana”. Consumida na Espanha de maneira freqüente no século XVI, foi introduzida na França, transformando-se em comida predileta de Luis XIV. Atualmente, é cultivada em praticamente todo o mundo, sendo a base de alguns pratos tradicionais. Mas somente em Dubai, em requintados restaurantes de grandes hotéis, se pode saborear o creme, a iguaria feita com a flor de berinjelas. O uso da flor como creme está ligado às tribos nômades em função da associação ao creme de leite feito com a nata (kachta) do Cáucaso, usado na receita. Podem ser usadas flores de abóbora, flores de pepino, flores de quiabo e flores de abobrinhas.

SALADAS COM FLORES

Usadas como remédio pelas tribos nômades e pelos egípcios, as flores desde 3373 anos, são apresentadas nas mesas dos faraós, reis e sultões guarnecendo saladas e enfeitando pratos. No Egito de Nefertiti foi introduzido o uso das rosas nas comidas e as várias espécies existentes são comestíveis. Usadas em quase todas as sobremesas em forma de essência principalmente de rosa vermelha, aromatiza e dá sofisticação aos doces. Pétalas são adicionadas a sucos, refrescos, limonadas, saladas, geleias, compotas, cremes, mousses e sobremesas assadas.

Mini rosas enfeitam os pratos.

Planta silvestre encontrada no Egito Antigo, o borago tem flor azul comestível, com gosto que lembram pepinos. São usadas em saladas, torta de frutas, sanduíches, para aromatizar vinagres, geleias e vinhos e em tábuas de queijo. Passadas em açúcar enfeitam bolos e são ótimos corantes. Frutas e flores de cactos são originárias de solos desérticos, usados em toda a Ásia, como no caso da Pytaia chamada de fruta do dragão por suas escamas vermelhas. No Oriente, Israel detém a maior produção.

Modo de Fazer as Saladas

Usar os molhos de sua preferência. O essencial é colocar sal, limão e azeite. Proceder como de costume ao montar uma salada, lavando bem os vegetais a serem usados. Também com as flores o cuidado é lavar bem e escorrer, procurando comprar em mercados de produtos gastronômicos, evitando flores de floricultura que contêm adubos.

Levar a salada temperada para a mesa, porém acompanhadas de azeite, saleiro e pimenteiras. Guardar as folhas verdes em um saco plástico depois de escorrer a água, para que se conservem até a hora de servir. Nunca tempere pepinos (exceção para o tabule, porém use limão, é menos indigesto).

Para saladas cozidas colocar o sal na água do cozimento. E de preferência nunca colocar água, sempre que puder cozinhar no vapor com manteiga em fogo lentíssimo, o legume ficará muito mais saboroso e macio e conservará seus nutrientes.

Para saladas com repolho, usar água quente para amaciar, escorra e tempere com sal e azeite, somente depois adicione limão e outros temperos.

Dada como proveniente da África do baixo Nilo, a carambola é uma fruta de gosto ácido e agradável. Sua flor é comestível e os antigos a usavam para tirar manchas das mãos e de roupas brancas. Também na comida mediterrânea são usadas brunneras e calêndulas de sabor iguais à flor de açafrão. Amores-perfeitos, cravina com gosto de noz-moscada, lavandas lilases de sabor doce e picante com perfume suave, angélicas com gosto parecido ao alcaçuz, pequenas acácias amarelas, florzinhas de pequenas orquídeas, girassóis que alimentam com suas sementes e enfeitam com suas pétalas.

A violeta silvestre adocicada enfeita bolos e doces após cristalizada no açúcar, e o amor perfeito é a mais perfeita e delicada forma de enfeitar quase todos os pratos. A entrada das capuchinha foi possível graças ao plantio em Israel e são as mais festejadas na moderna cozinha daquela região mediterrânea. Imensas flores de alcachofras enfeitam as travessas em que a salada deste legume é servido.

Hibiscus são perfeitos para saladas, tem um agradável gosto de azedinha. Porém famoso é o chá karkadesh vermelho vivo, e as flores minúsculas quando ainda em botão são alegremente nas saladas distribuídas, enfeitando e alegrando a comida.

RECEITA DE CREME DE FLOR DE BERINJELA

Esta receita pode ser utilizada para outras flores, como a flor da abóbora, da abobrinha, flor da alcachofra, flor do quiabo, flor do pepino.

Ingredientes

1 maço grande de flores (encomende com seu verdureiro na florada)

Manteiga – 1 colher grande, 1 colher de azeite

1 cebola grande batidinha na faca

Creme de leite – 2 caixinhas ou 500g de nata pura, sem bater

Sal e pimenta branca, à gosto

Modo de Fazer

Aqueça bem uma panela, adicione a manteiga e o azeite e doure levemente a cebola em fogo. O segredo é a fritura desta cebola: adicione em fogo alto e a seguir, abaixe o fogo pois ela deverá amaciar sem escurecer. Lave bem as flores, deixe escorrer e corte fininho. Refogue, adicione o sal e tampe a panela para cozinhar em seu próprio vapor. Cubra com meio litro de água (ou mais, dependendo do tanto de flores), tempere com pimenta, louro e orégano. Deixe ferver, desligue para amornar e liquidificar. Devolva para a panela, aqueça e após borbulhar, complete com o creme de leite. Sirva enfeitado com uma colherada da nata (pode ser iogurte grego).

Ao usar flores de abobrinhas, coloque junto os pequenos e tenros brotos do legume.

Imensas flores de alcachofra podem enfeitar saladas , em mesas de festas.

  Siga-me e receba Atualizações
  • Facebook Social Icon
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now